3.09.2008





Trazer o exterior para dentro, abrir as portas para deixar entrar num subway, espaço underground, aquilo que vive no solo acima. Trazer a vida, o verde, o orgânico, para dentro do espaço estéril, frio, artificial de uma estação de metro, lugar por onde toda a gente passa, mas nunca fica.
Um jardim, um espaço verde que necessita ser cuidado para se desenvolver, colocado num "não-lugar", numa estação de metro de uma cidade que necessita ser cuidada para crescer e se desenvolver.
Colocada na parede, iluminada pela luz indirecta e artificial dos candeeiros da estação de metro de Faria Guimarães, surge uma fotografia de grande escala que apresenta a vista panorâmica de uma floresta de pinheiros. Nas restantes paredes que encerram o espaço, surgem séries de regadores, colocados na parede como extintores de incêndio, convidando o transeunte a utilizá-los como ferramenta para ajudar a crescer a sua cidade, regando e/ou "salvando" simbolicamente as grandes árvores apresentadas na fotografia da parede acima, estrategicamente colocada sobre a sinalética de "saída/exit". Estas árvores precisam de décadas, muita paciência para crescerem e ficarem altas e frondosas. Uma cidade como o Porto precisa de crescer aos poucos, um crescimento que passa por dar as ferramentas e ensinar a fazer.
Fazer todos os dias um pouco, num gesto repetido e continuado mas que, acima de tudo, deve ser "acreditado" e entendido por todos como fundamental.
Aprender a plantar uma árvore, a cuidá-la todos os dias, a ter paciência para vê-la crescer…Aprender a aceitar as diferenças culturais, vivê-las todos os dias de forma a tornarem-se banais e parte da sociedade. Fazer da tolerância a ferramenta essencial; do regador, que com a água purifica e dá alimento àquilo que se pretende cosmopolita.
Regando a cidade de tolerância, arrancando-lhe os "pré-conceitos" daninhos.

Manuela São Simão, Outubro 2007

1 comentário:

vítor tavares disse...

Viva.

Antes demais, os parabéns pelo projecto "Growing The city" que desenvolveram nos espaços (estações) da Metro do Porto.
O projecto é muito interessante, interventivo e dinamizador do espaço público.
Também desenvolvi um projecto de investigação/dissertação, com o tema "não-lugares na cidade do Porto" e para o qual fiz também bastantes registos.

+info. consutar link:
www.nao-lugares.com

--
vítor tavares